13/10/2012

Planejar ou improvisar? (por Professor Organizado)

O professor que deseja realizar uma boa atuação docente sabe que deve participar, elaborar e organizar planos em diferentes níveis de complexidade para atender, em classe, seus alunos. (TURRA etalii, 1995, p. 18-19). Mais afinal, por que?

O planejamento faz parte da história do ser humano. Inconscientemente realizamos ações que o caracterizam. Ao iniciar o dia, pensamos nas atividades que precisam ser feitas e as distribuímos de acordo com o tempo que temos e com as necessidades. Acordar às 7hs, tomar café da manhã, escovar os dentes, tomar banho, vestir uma roupa adequada, ir para o trabalho… são planos que fazemos para seguirmos uma rotina, resolver “um problema”.

Geralmente conseguimos seguir esses passos sem dificuldades e no final alcançamos os objetivos. E se pudéssemos traçar caminhos para realizarmos nossas atividades em sala de aula ou até mesmo fora dela? Nos preparar para eventuais situações “imprevisíveis” que possam acontecer e mesmo assim conseguir alcançar os resultados, como no exemplo anterior?
Planejamento! Repita comigo, Planejamento. Mais uma vez…

Planejar é um processo sistêmico, organizado, decisivo e previsível que está inserido em vários ambientes: urbano, econômico, familiar e educacional. Na educação surge como um guia que serve para auxiliá-lo na realização de suas tarefas com um único propósito, alcançar o que se almeja. Se torna necessário a medida que se deseja ter qualidade no que faz.

Muitos hoje em dia se tornam reféns do improviso por não conhecerem ou por simplesmente não darem importância ao planejamento. Aliás, existe uma grande diferença que atrapalha o professor recém-formado que está iniciando sua carreira. Acabam confundindo-o com espontaneísmo.

A improvisação se realiza à medida que temos experiência, vivência na profissão. O espontâneo demonstra fraqueza, despreparo com um fato ou acontecimento não esperado, inédito. Há muitas variáveis que colaboram para o fracasso de uma atividade e com certeza você Professor Organizado não quer ser pego de surpresa quando elas surgirem.
Professor X Planejamento

Infelizmente, apesar de várias discussões que comprovam a importância do planejamento na educação, existem professores que negligenciam a sua prática “improvisando” suas atividades e usando como base a sequência didática de livros, que te mostram o passo-a-passo adequado a ser seguido. Além de transformar o professor em um mero orador especial da turma, consequentemente colabora para o insucesso nos resultados.

Alegam que a atividade de planejar perde-se muito tempo. Tempo esse que está cada vez mais escasso (não é verdade?). Enganam-se, pois com um bom planejamento consegue-se minimizar várias perdas: de tempo, de dinheiro e de espaço. O tempo que se diz “perder” planejando é reconquistado com juros e correção monetária no momento em que se inicia as atividades. Se você tem um nome a zelar, com certeza será mais barato planejar, até porque só é preciso se organizar um pouco e ordenar as atividades necessárias para alcançar seu objetivo.

Lembrem-se, planejamento é um instrumento que te direciona para os caminhos que se deve seguir, que determina, ordena e prioriza todos os recursos e meios necessários para o cumprimento de metas e objetivos traçados por você, professor.

Não vou me estender, até porque não queremos que essas nossas conversas se tornem cansativas e confusas. Deixarei para o próximo texto a continuação desse papo. Conheceremos vários tipos de planejamento e qual desses se encaixa em nosso perfil.

E você, planeja ou improvisa? Conte para nós a sua experiência.

Por: Professor Organizado


0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial