Álcool MATA!


Álcool MATA!

Todos conhecemos os efeitos imediatos do consumo do álcool, logo após uma bebedeira vem a ressaca, o cansaço, a indisposição e a má aparência.

Se não houver nenhum acidente, esse mal estar felizmente passa, o grande problema, são os males que o consumo de álcool de forma regular traz para a saúde da pessoa que bebe e das pessoas que estão ao seu lado.

A ciência já identifica algumas doenças que são resultados do consumo freqüente  de bebidas alcoólicas, entre elas temos o câncer da mama, câncer oral, doenças cardíacas, derrames e cirrose hepática, infertilidade, entre outras. Além disso, o álcool é também responsável por problemas mentais como a perda de memória, a depressão e o mal de Alzheimer.

Devemos ter muito cuidado, quando ouvimos falar que o consumo moderado de bebidas alcoólicas pode ajudar a saúde, pois, os limites de consumo adequado não são fáceis de serem estabelecidos, muito pelo contrário, uma dose que pode nem fazer efeito para uma pessoa pode deixar outra inconsciente.

Doenças associadas ao consumo de álcool

O consumo regular de bebidas alcoólicas, além de desenvolver problemas no sistema digestivo, fígado, pâncreas e rins, afeta também o coração e os vasos sanguíneos.

O consumo excessivo pode resultar em pressão alta, cardiomiopatia alcoólica, falência cardíaca e derrames, além de aumentar a circulação de gorduras no organismo.

Câncer - Um estudo publicado no British Medical Journal no ano passado concluiu que o consumo de álcool provoca pelo menos 13 mil casos de câncer por ano na Grã-Bretanha, nove mil em homens e quatro mil em mulheres.

Com apenas 3 drinks por dia, já se observa uma maior probabilidade de ser desenvolver câncer na cavidade oral e faringe, esôfago, laringe, seio, fígado, cólon e reto, além da cirrose hepática, hipertensão e pancreatite crônica.

Baixa Imunidade - Um relatório publicado recentemente na revista científica Bio Med Central Innunology revelou que o álcool diminui a capacidade do organismo de combater infecções virais.

Fertilidade - Estudos sobre fertilidade indicam que mesmo o consumo moderado da substância diminui a probabilidade de uma mulher conceber. Nos homens, o consumo excessivo diminui a qualidade e quantidade de esperma.

Gravidez - O mais grave é o fato de que o mesmo estudo indica que uma única dose excessiva de álcool durante a gravidez pode ser suficiente para provocar danos permanentes sobre o genoma do feto, levando a concepção de crianças com danos sérios, nascidas com anomalias na cabeça e face e até deficiência mental.

Doenças do fígado - Por ser muito tóxico, quanto maior a ingestão semanal, maior o dano ao fígado. Consumir bebidas alcoólicas mais de 5 vezes na semana, pode ter um grande impacto na saúde, reduzindo a expectativa de vida para 40 anos de idade.



O primeiro gole cada vez mais cedo

O consumo de bebidas alcoólicas está chegando cada vez mais cedo as crianças e jovens. Infelizmente vem se tornando comum observar crianças consumindo bebidas alcoólicas dentro da escola, nas festas escolares e nas ruas e parques pelas cidades.

Uma pesquisa realizada pela Unifesp em 2010, identificou que mais de 30% de jovens entre 14 e 17 anos relataram ter feito uso de pelo menos 5 doses de alguma bebida alcoólica no último mês.

O primeiro porre que muitas vezes representa um maior “status” frente ao grupo, pode ser o inicio de uma vida de vício e dependência do álcool, além de ser a porta de entrada para outras drogas e o mundo do crime.

Outro aspecto importante é a falsa percepção dos jovens em relação a cerveja. Pesquisa com jovens revela que eles acreditam que a cerveja é uma bebida "mais fraca" que as demais bebidas alcoólicas, fato que pode distorcer a relação entre o jovem e a bebida.

Álcool e as mortes no trânsito

Infelizmente já se tornou comum nas manchetes dos telejornais retratar acidentes violentos de automóveis com a morte de adolescentes e jovens.

A busca pela emoção e a necessidade de superar limites associados a sensação de confiança que o álcool pode oferecer, tornam o jovem mais agressivo ao volante e com pouco controle da situação, levando-o a uma maior probabilidade de acidentes graves.

No Brasil, 57% dos acidentes fatais com jovens entre 21 e 29 anos estão relacionados ao consumo de bebidas alcoólicas.



"Esquentas"

Uma prática cada vez mais comum entre os jovens é o consumo abusivo de bebidas alcoólicas antes de uma festa ou show musical.

Além de distorcer a sensibilidade do jovem durante a festa, em estado de embriaguez o jovem está mais propenso a utilizar outras drogas e se envolver em brigas ou outros gestos violentos.

O grande problema, além da quantidade de álcool ingerido, é muitas vezes, a qualidade dessa bebida. Misturas com elevadas concentrações de álcool estão cada vez mais acessíveis a aos adolescentes e jovens.

Mídia

Existe uma grande relação da mídia com o consumo de bebidas alcoólicas. Comerciais repletos de pessoas bonitas e saudáveis, em momentos agradáveis, festas, praias e baladas que despertam no jovem, o interesse em vivenciar aquela imagem de sucesso agregada à bebida.

O que muitas vezes a propaganda não mostra são os resultados do consumo do álcool na vida das pessoas normais, a destruição de famílias, os acidentes de trânsito, a violência contra familiar e as doenças crônico degenerativas.


Um problema de saúde pública

O consumo de álcool nos países da Europa já vem sendo considerado como grande mal da sociedade, superando as drogas mais pesadas como o tabaco, crack e a heroína no número de internações e mortes.

Isso acontece pelo fato do consumo de álcool ser permitido pela lei e considerado como “normal” pela sociedade.

A presença do Álcool em nossas vidas

A maior dificuldade de enfrentar a dependência do álcool consiste no fato dele ser aceito pela sociedade.

É legal brindar com uma bebida alcoólica um momento especial, gostamos de convidar as pessoas para tomar um bebida em nossas casas, em festas e comemorações, logo chega uma garrafa pra completar a alegria.

A ilusão de ter o álcool nos momentos bons mascara a triste realidade das pessoas que são dependentes do consumo de bebidas alcoólicas. Pior ainda, é o sofrimento das pessoas que convivem com os dependentes, agüentando as crises de abstinência e os estados de embriaguez total, onde a pessoa não tem controle algum sobre seus atos.

O exemplo dentro de casa

Por força desta cultura de ser aceito socialmente, muitos jovens começam a beber por observar os pais bebendo, ou até, por influência dos próprios pais que oferecem bebida aos filhos como se fosse natural.

Molhar a chupeta do bebê na cerveja ou fazer a criança beber a "espuminha" já pode contribuir para que no futuro, o jovem associe a sensação de prazer ao consumo de bebidas alcoólicas.

Beber socialmente

Além disso, existe o grande mito do "controle" sobre o consumo do álcool. É bem visto socialmente aquele que consegue "beber socialmente".

De fato, durante um longo tempo é possível controlar o consumo da bebida, porém, silenciosamente a relação se inverte, e quando menos se percebe, a pessoa está dependente do consumo "moderado" da bebida.





Como saber se eu sou ou não dependente do álcool?


De acordo com os Alcoólicos Anônimos, a presença de quatro ou mais respostas afirmativas indica grande probabilidade de a pessoa ser dependente do álcool.

• Já tentou parar de beber por uma semana (ou mais) sem conseguir seu objetivo?
• Ressente-se dos conselhos daqueles que tentam fazê-lo parar de beber?
• Já tentou controlar sua tendência a beber demais trocando uma bebida por outra?
• Tomou algum trago pela manhã nos últimos tempos?
• Inveja aqueles que bebem sem criar transtornos?
• Seu problema com a bebida vem se tornando cada vez mais sério nos últimos doze meses?
• A bebida já causou incidentes em casa?
• Nas reuniões sociais em que as bebidas são limitadas, você tenta conseguir doses extras?
• Você afirma que bebe quando quer e pára quando quer, apesar das provas em contrário?
• Faltou ao serviço nos últimos doze meses por causa da bebida?
• Já teve "apagamentos" depois de uma bebedeira?
• Já pensou que poderia aproveitar melhor a vida se não bebesse?

Onde encontrar ajuda?

Se você realmente está disposto a mudar de vida e tem consciência dos males que o consumo de bebidas alcoólicas estão causando na sua vida, procure um grupo dos Alcoólicos Anônimos próximo da sua casa, com certeza você será confortado da suas angústias e necessidades.

Em São Paulo você pode obter maiores informações ligando para (11) 3315-9333, funciona 24 horas, ou obter maiores informações no site do AA : http://www.alcoolicosanonimos.org.br/



Procure ajuda, ou ajude quem precisa! 


0 comentários:

Página inicial