01/01/2012

Chega de Proselitismo (por Giselle Aparecida)


Vejo o quanto a sociedade não sabe lhe dar com as diferenças. Sei o quanto os movimentos religiosos podem influenciar. Mas acho que deveríamos olhar mais para as igualdades do que para as diferenças. Digo isso porque, (acho que nunca te contei), eu fui alfabetizada em uma escola espírita. E o mesmo Deus, o mesmo Jesus que eu conheci lá, é o Mesmo que eu encontrei na católica, que também está na evangélica e até mesmo no Islamismo. Por exemplo: Deus no espiritismo é chamado de “Mestre Maior”, Criador; na católica chama-se de Deus; Divino Pai Eterno; e no islamismo apesar de não reconhecerem Jesus Cristo como o Filho Unigênito do Criador, eles chamam Deus de “Alá”.

Tudo é uma questão de ponto de vista.O que muda é só algumas teorias (pouquíssimas). Mas as pessoas insistem em apontar as diferenças. A gente sabe o quanto algumas Igrejas julgam os kardecistas, devido à invocação dos espíritos, reencarnação, etc. Mas sabemos também que os espíritas são conhecidos pela prática da caridade. E há uma passagem da bíblia que se encaixa perfeitamente no perfil deles: “Mas alguém dirá:“Tú tens fé, e eu tenho obras.” Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.”(Tiag. 1,18). Então, ninguém poderá dizer que eles não serão salvos, ou estão errados em praticarem a fé deles, na maneira como eles acreditam.

Eu costumo comparar os movimentos religiosos com as profissões: já imaginou se o advogado justo desistisse da profissão só porque outro advogado vive na corrupção? Ou se todos os médicos, enfermeiros, desistissem de seus trabalhos porque um erro profissional matou alguém? Em todas as áreas temos bons e maus profissionais. Nas religiões é a mesma coisa. Porque que Deus só pode usar os evangélicos ou só os católicos? Creio que Deus pode usar qualquer pessoa em qualquer religião e até mesmo os ateus!!! Se cada um de nós fossemos desistir denossas religiões pelos erros que a Igreja cometeu no passado e ainda comete no presente. Seriamos todos ateus.

Acho que não devemos ser “proselitistas”, ou seja, querer converter uma ou várias pessoas a uma determinada religião, ideia ou causa. Que bom seria se olhássemos somente para as semelhanças, e praticássemos a maior delas: O AMOR!!Lembrem-se que a verdadeira religião é a prática do amor!!

Giselle Aparecida da Silva (Acadêmica no curso de Teologia e Bacharel em Direito)

1 comentários:

Giza Gyn disse...

Ofereço este texto ao meu querido amigo João Pedro dos Santos. Agradeço o incentivo, a força e principalmente a amizade e carinho de sempre!!!!

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial