22/12/2008

O espírito do Natal...



Entrei na igreja vazia.

Sempre amei as igrejas assim, em seu silêncio que embala a alma, sem olhares e conversas fora de contexto para o local.

A luz do sol, filtrada pelos vitrais, era belíssima. Os tons variados de suas cores davam um ar celestial àquele instante.

De repente o silêncio foi quebrado pelo ruído da porta. Por ela um menino, nove ou dez anos talvez, entrou e passou pelo corredor parando defronte o altar.

Ele parecia não ter me visto, ou isso não era importante para ele. Sua roupa era tão simples quanto surrada. Seu andar tranqüilo, como se a pressa fosse algo estranho para ele, levava-o como se navegasse no vento.

Então ele se ajoelhou. Ouvi sua voz ecoar pela nave.

“Deus! Vim hoje aqui pra falar com Você, sobre algumas coisas que estão me incomodando. Não quero pedir nada para mim, porque o Senhor já me deu saúde e isso é muito bom. Mas é que existem muitas outras crianças doentes, sem hospitais, médicos e remédios.

Papai me disse que isso deve melhorar, porque as eleições estão próximas e, pelo menos nessas épocas existem socorro aos mais carentes. Não entendo direito isso, mas pensava que esse socorro devesse existir sempre.

Então quero dizer: daria para o Senhor providenciar um pouco do sentimento de bondade para o coração daqueles que mandam nestas coisas aqui na Terra?

Sabe Deus, ontem fui ao enterro de um amiguinho meu, que não teve socorro médico. Não gostei de ver tudo aquilo. Dói muito dentro da gente, sabe? Vou esperar o Senhor fazer alguma coisa.

Obrigado. Um beijo! ”

Então ele se levantou, se benzeu, girou nos calcanhares e começou a sair. Pude ver o reflexo das luzes coloridas nas lágrimas escorridas pelo seu rosto quando passou por mim.

De pouquíssimas coisas tenho certeza nesta vida, mas uma delas não me sai da cabeça: naquele momento eu havia conhecido – pessoalmente – o Espírito do Natal!


Joaquim Saturnino da Silva


MAIS TEXTOS

0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial